domingo, 13 de agosto de 2017

Até o ex-Presidente do BC, Afonso Celso Pastore, fala no índice VIX.....Mas, vamos ao título de sua ótima entrevista publicada hoje no Jornal "Folha de São Paulo": "Situação externa favorável deixou o mercado bêbado, diz Celso Pastore"

Até o ex-Presidente do BC, Afonso Celso Pastore, fala no índice VIX.....

Sim...

Em sua ótima entrevista reproduzida abaixo, em dado momento, para explicar a "calmaria" dos mercados mundiais, ele cita o índice VIX....Falou no patamar de 80 pontos...depois, 10.....a entrevista foi dada antes de sua explosão na quinta-feira até 17 pontos

Sim....

Ele está certo......nada....absolutamente nada justifica o estágio atual do mercado brasileiro....

em vários ativos.....vários....principalmente bancos....sim.....eles....os bancos...

Mas, o mercado é o que está aí.....

Dow Jones em 22.000....bateu 22.180 a semana que passou......

23.000 ??....24.000 ???....25.000 ?

Quem vai saber...

Há uma luta desesperada dos agentes econômicos por rentabilidade.....rentabilidade de 0% por 7 anos, como vimos ? Ainda em 1%-1,25% ?

Então....que se busquem outras rentabilidades...

A culpa é dos Bancos Centrais espalhados pelo mundo....especialmente FED, BCE e Banco da Inglaterra.

É uma bolha...tudo é grande bolha.......uma hora vai estourar.....

Vamos a ótima entrevista publicada hoje no Jornal "Folha de  São Paulo": "

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/08/1909427-situacao-externa-favoravel-deixou-o-mercado-bebado-diz-celso-pastore.shtml

Situação externa favorável deixou o mercado bêbado, diz Celso Pastore

RAQUEL LANDIM
DE SÃO PAULO

13/08/2017  02h00

O economista Affonso Celso Pastore, ex-presidente do Banco Central, afirma que o mercado não está punindo como deveria o governo Temer pelo descontrole fiscal.

"O mercado está bêbado com uma situação internacional extremamente favorável", diz, ao explicar a queda do risco-país e do câmbio.

Ele acredita que o presidente não tem força política para elevar impostos e fazer a reforma da Previdência, medidas essenciais para equilibrar a dívida pública.

Folha - O senhor está preocupado com a situação das contas públicas?

Affonso Celso Pastore - A situação fiscal é grave. O crescimento da dívida pública é absolutamente insustentável em razão do aumento do gasto. A gestão Temer tomou a iniciativa de passar uma emenda constitucional congelando as despesas reais [descontada a inflação].

Mas não congelou os gastos com a Previdência e ainda deu aumento para o funcionalismo. Esses, juntos, representam 80% dos gastos públicos. Portanto, a primeira restrição fiscal de Temer é cumprir o teto de gastos em 2018.

O senhor vê riscos de que o teto de gastos seja descumprido?

Cumprir o teto não é uma escolha. Está na Constituição. Se o congelamento de gastos não for mantido, a dinâmica da dívida pública explodirá.

A dívida pública em proporção ao PIB já estava em 50% com Dilma, chegou a 75% quando Temer assumiu e está indo para 80%. É por isso que o governo precisa tanto da reforma da Previdência.

Mas a primeira dúvida que surge para qualquer cidadão é como um governo que gasta boa parte do seu capital político só para se manter no poder vai conseguir apoio para isso [aprovar a reforma].

O senhor ainda acredita na aprovação da reforma?

Não vejo como. A idade mínima para a aposentadoria precisa de 308 votos na Câmara, que o governo não tem. Daí começam a falar em dar uma "arrumadinha". O problema é que uma idade mínima menor gera uma economia menor.

Precisamos também de equalização dos benefícios pagos a funcionários públicos, militares etc. com o INSS. Temos de fazer uma reforma justa socialmente que caiba no Orçamento. Se o governo tivesse força política, é isso o que faria. Ele agora quer descobrir qual é o tamanho da sua força. Também não sei, mas a minha suspeita é que ela seja muito pequena.

A expectativa é que o governo eleve a meta de deficit fiscal de 2017 e de 2018. Essa revisão é necessária?

A meta fiscal é a segunda restrição que o governo enfrenta. Hoje, temos um deficit de 2% do PIB e precisamos de um superavit de cerca de 1,5% num cenário otimista para reduzir a dívida pública em relação ao PIB.

Com a queda de arrecadação provocada pela crise, o governo disse que ia fechar o buraco com receitas não recorrentes, mas não conseguiu.

A segunda fase de repatriação de capital não saiu. A Câmara transformou o Refis num projeto indecoroso que favorece os próprios deputados e precisa ser vetado.

O governo também não foi capaz de aprovar a reoneração da folha de pagamento. Contava com a receita das concessões, mas não conseguiu fazer os projetos.

Em resumo: a previsão de receita se frustrou não apenas por causa da recessão mas também porque não aprovaram as medidas extraordinárias propostas.

Nesse cenário, o senhor acha que a revisão da meta fiscal é inevitável?

Acho que o governo vai assumir que não consegue cumprir. O problema é que confiança se pode ter em qualquer número que seja apresentado.

A equação atual só fecha com aumento de imposto e corte de gasto. Mas, do mesmo jeito que o governo não tem força para aprovar a reforma da Previdência, também não consegue subir imposto.

Temer falou em elevar o Imposto de Renda, mas logo voltou atrás.
Não vejo como fechar esse buraco sem aumento de imposto e sem corte de gastos. Vai ser preciso fazer as duas coisas.

Elevar o Imposto de Renda prejudica muito as pessoas. Eles soltaram o balão de ensaio e enfrentaram uma enorme oposição. De onde vem essa oposição?

Se o governo estivesse fazendo um ajuste fiscal bem-feito, se tivesse aprovado a reforma da Previdência, se estivesse visivelmente produzindo resultados, teria apoio.

Não quero dizer que não há resultados positivos. A política monetária está indo bem: a inflação foi ancorada, e a taxa de juros vem caindo. Estou me referindo à batalha no campo fiscal.

O risco Brasil está baixo, e o dólar recuou. Se a situação é tão ruim, por que o mercado não reage?

Porque o mercado está bêbado com uma situação internacional extremamente favorável. Nunca tivemos no mundo uma liquidez tão alta e um grau de aversão a risco tão baixo.

Não é o real que aprecia ou o CDS (risco-país) brasileiro que cai. São as moedas de todos os emergentes que estão se valorizando.

Com os Estados Unidos subindo os juros menos que o esperado e com a Europa ainda injetando liquidez, os capitais migram para os países emergentes.

O índice Vix, que mede aversão a risco, chegou a bater entre 60 e 80 pontos e hoje está abaixo de 10 —um mínimo histórico.

O desempenho do câmbio não significa que o mercado não reconheça que existe um problema fiscal ou que acredite que o Temer tem força política para resolvê-lo.

Os investidores sabem que existe um risco. Mas a alta demanda por ativos brasileiros mascara o problema e o mercado não pune o governo como deveria.

Apesar do desarranjo das contas públicas, a economia está se recuperando. Por quê?

O motor da recuperação é a queda da taxa de juros. O desajuste das contas ainda não provocou uma piora na inflação porque a economia está muito fraca.

O BC cortou um ponto porcentual da taxa Selic e deve cortar mais. O consenso de mercado hoje é que os juros estejam em 7,5% no fim do ano, e acho que é por aí mesmo.

Como a economia ainda não se recuperou, temos uma força desinflacionária muito forte. Os preços administrados [tarifas, como as de energia elétrica] tendem à estabilidade, enquanto os preços dos bens duráveis têm deflação.

A economia está tomando uma rota de recuperação sem desequilíbrio inflacionário, mas isso não resiste a desequilíbrio fiscal permanente.

No longo prazo, desajusta a política monetária e provoca uma situação caótica. Só não sabemos quando isso vai ocorrer. Num cenário muito favorável, pode continuar até o próximo governo.

É melhor empurrar o problema até 2018 ou trocar o governo agora?

Não me compete opinar sobre a permanência ou não do governo. O que eu acho é o seguinte: governos sem força política têm desempenhos econômicos piores.

O desempenho econômico do governo Temer, portan- to, será pior do que poderia ser se não tivesse perdido força política.

O que um novo governo eleito em 2018 deveria fazer?

O Brasil já entrou e saiu de várias crises. Temos uma crise fiscal e precisamos resolver.

Mas também precisamos fazer reformas microeconômicas, abrir a economia, parar de dar "bolsa empresário", tirar os subsídios do BNDES.

É uma agenda conhecida, e boa parte está na "Ponte para o Futuro", que Temer soltou lá atrás.

Estava também na cabeça de Armínio Fraga [ex-presidente do BC], quando ele ainda estava ao lado de Aécio Neves [ex-candidato do PSDB à Presidência flagrado pedindo dinheiro a um empresário].

O Brasil vai ter que executar essa agenda mais cedo ou mais tarde, respeitando e reforçando as suas instituições.

RAIO-X

Nascimento: 19 de junho de 1939, em São Paulo

Formação: doutor em economia pela Faculdade de Economia da Universidade de São Paulo

Carreira: sócio-fundador, presidente e consultor da A.C.Pastore & Associados; presidiu o BC entre setembro de 1983 e março de 1985