terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Ops.....Eu vou pra "ponta vendedora" na manutenção de Joaquim Levy no Ministério da Fazenda"...e você ?......

Pasmem !

Isso mesmo !....

Leiam o artigo abaixo, do Jornalista da Revista VEJA, Reinaldo Azevedo, publicado agora há pouco, de madrugada.

Alguns bancos, como o Morgan Stanley, já vêem o Brasil "pior do que a média"; sim, isto é, já apostam em algo mais negativo para esse ano e ano que vem.

Até ai tudo bem......quer dizer.......não tudo bem.....mas......ah.......deixa pra lá.....

Até porque, como todos os leitores sabem, eu "jogo no time do Morgan Stanley, ou melhor, eu sou tão ou mais pessimista do que "a média"......

Mas, continuemos.

Segundo o artigo do Jornalista Reinaldo Azevedo, há uma considerável parte do mercado financeiro que vem questionando o tempo que Joaquim Levy, o recente nomeado Ministro da Fazenda, permanecerá no cargo.

A virada do ano promete........há tempos não nos divertíamos tanto no Brasil como nesse final de ano de 2014

Vamos ao artigo...

Ah......peraí....peraí !!

Vou pra "ponta vendedora" na "manutenção do recém Ministro da Fazenda Joaquim Levy"


http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/antevendo-recessao-em-2015-setores-do-mercado-ja-apostam-que-levy-nao-durara-muito-tempo/

09/12/2014 às 2:43
Antevendo recessão em 2015, setores do mercado já apostam que Levy não durará muito tempo

É incrível a velocidade com que tudo se deteriora, inclusive as expectativas. O que vai agora não é torcida, não — até porque ninguém sai ganhando se as piores previsões se concretizarem: governo, oposição, população… Ninguém! O fato é que, nos corredores do mercado financeiro, já começou a ser feita uma aposta: quanto tempo Joaquim Levy, futuro ministro da Fazenda, vai durar no cargo. E, obviamente, coisas assim não contribuem para aumentar a confiança no Brasil.

No começo do mês, o banco Morgan Stanley, por exemplo, cortou a sua projeção de crescimento para o ano que vem, que já vinha distante do magríssimo (nunca “magérrimo”!!!) 0,8% que era ventilado até dia desses pelo mercado, perspectiva agora assumida pelo governo. O Morgan transformou uma previsão de mero 0,3% positivo em 0,3% negativo. Vale dizer: para essa instituição bancária, o Brasil terá uma recessão no ano que vem.

Um conhecido que participou de recente jantar com diretores de bancos de investimento acompanhou, algo espantado, a avaliação, praticamente consensual, de que Levy não resistirá a uma recessão que também dão como certa em 2015: os otimistas falam em queda de pelo menos 0,5%; os pessimistas, de até 2,5%.

Uma coisa é produzir crescimento pífio, ou recessão mesmo, como se antevê, quando há um “companheiro” no comando da economia; outra, distinta, é ver o número negativo quando, no timão da economia, está alguém que a companheirada considera “sapo de fora”, um “tucano infiltrado”, a “direita neoliberal”.

Aguardem!

Por Reinaldo Azevedo