terça-feira, 9 de dezembro de 2014

"Faria Lima prepara demissões: “Está ruim pra todo mundo”, por Geraldo Samor

Vai melhorar o engarrafamento na "Faria Lima"

Poderei tomar meu café expresso mais tranquilo.....

Por Geraldo Samor:

http://veja.abril.com.br/blog/mercados/fluxo-para-bolsa/faria-lima-prepara-demissoes-esta-ruim-pra-todo-mundo/


08/12/2014 às 5:01 \ Fluxo para Bolsa
Faria Lima prepara demissões: “Está ruim pra todo mundo”

Grandes bancos de investimento, muitos deles com sede na Avenida Faria Lima em São Paulo, o centro financeiro do País, estão preparando demissões devido à falta de perspectiva de melhora nos negócios de IPOs e corretagem para 2015.

Os cortes vão desde a Goldman Sachs até o líder de mercado entre os bancos de investimento, o Itaú BBA.

No BTG Pactual, há um clima de apreensão, particularmente entre os associates mais júniores. Com a deterioração dos mercados de dívida e ações, o foco do mercado se voltou para o gigantesco portfólio de private equity do banco, onde muitas empresas precisam de novos financiamentos ou de uma nova injeção de capital.

“Está ruim pra todo mundo. A diferença é que uns vão ter um ano ruim, outros vão ter um ano horroroso,” disse o chefe de um desses bancos de investimento.

Além de suas áreas de fusões e aquisições, os grandes bancos mantêm estrutruras para fazer operações relacionadas ao mercado acionário (equity): times de analistas que produzem relatórios sobre empresas, corretoras e banqueiros que fazem a estruturação de IPOs.

Com a incerteza eleitoral do segundo semestre deste ano e a perspectiva de que o ajuste fiscal brasileiro manterá a economia em standby ao longo de 2015, os bancos agora estão tomando a decisão de desmobilizar essas áreas.

BTG, Itaú, Credit Suisse e Merrill Lynch, que têm as maiores estruturas de equity, estão sofrendo, mas ainda podem contar com um fluxo de negócios relevante devido à escala de suas operações. Ainda assim, nem nestes bancos os cortes estão descartados.

Já um segundo pelotão de bancos — que inclui Morgan Stanley, Goldman Sachs, JP Morgan e Santander — não tem a mesma escala e por isso perdem dinheiro mais rápido.

“Tivemos um ano bom, mas o ano que vem não tem a menor chance de ser tão bom,” disse o chefe da área de banco de investimentos de outro banco.

Por Geraldo Samor