quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

"Cidade americana de Providence entra com ação coletiva contra Petrobras e Graça Foster nos EUA", por Jornal O Globo

Noticia publicada no final da tarde de hoje, 25-12-2014

Crédito: Jornal O Globo:

Abaixo, parte da matéria.

Todo texto pode ser encontrado aqui :http://oglobo.globo.com/economia/petroleo-e-energia/cidade-americana-de-providence-entra-com-acao-coletiva-contra-petrobras-graca-foster-nos-eua-14910906



PETRÓLEO E ENERGIA
Cidade americana de Providence entra com ação coletiva contra Petrobras e Graça Foster nos EUA
Capital de Rhode Island investiu em títulos da estatal e alega ter sido prejudicada por caso de corrupção


por Rennan Setti
25/12/2014 15:42 / Atualizado 25/12/2014 17:39

RIO — Depois de investidores, agora é a vez de uma cidade processar a Petrobras nos Estados Unidos. Na véspera de Natal, a capital do estado de Rhode Island, Providence, entrou com uma ação coletiva contra a estatal, duas de suas subsidiárias internacionais e vários membros de sua diretoria, incluindo a presidente Maria das Graças Foster. A ação foi iniciada no Tribunal Distrital de Nova York com o argumento de que investidores adquiriram papéis da petrolífera com preços inflados porque a companhia firmou contratos superfaturados à base de propina.

O processo, de número 14 CV 10117, há a acusação de a Petrobras ter contabilizado as propinas reveladas na operação Lava-Jato como custos relacionadas à construção e instalação de sua infraestrutura e os registrou como parte do valor dos seus ativos. Diferentemente das outras ações coletivas impetradas contra a companhia nos EUA, no processo, Providence também quer ser ressarcida pelo prejuízo com os títulos de renda fixa lastreados em dívida da Petrobras.

Por isso o processo também acusa a Petrobras International Finance Company (PIFCo) e a Petrobras Global Finance B.V. (PGF), subsidiárias da estatal brasileira baseadas respectivamente em Luxemburgo e em Roterdã, na Holanda, envolvidas na emissão de títulos da empresa. A ação menciona, por exemplo, que PifCo vendeu US$ 7 bilhões em títulos em fevereiro de 2012 e que a PGF ofereceu US$ 19,5 bilhões em notas em maio de 2013 e em março de 2014. Ao todo, a petrolífera levantou US$ 98 bilhões no mercado internacional, acusa a cidade de Providence.