domingo, 1 de maio de 2016

O Bovespa não subiu por conta do Impeachment....ou a "Teoria dos Mercados Ineficientes"

Esqueça um pouco o noticiário do dia a dia......

Vá pescar, subir a serra, caminhar na praia, surfar, beber um bom vinho ou uma boa cerveja; leia curiosidades, veja filmes "sessão da tarde", "se enfie num café", vá andar no Parque do Ibirapuera numa quarta-feira à tarde, "esvazie sua mente".

Isso tudo te ajuda a se livrar de certos "pré-conceitos", "análises fáceis", muito próprias de jornalistas que precisam dar um recall, feedback para o que acontece naquele dia, naquele momento, naquele instante.

Quem lê Filosofia da Ciência tende a manter as características e disposições acima.

Um dos maiores expoentes da Filosofia da Ciência, Karl Popper, resumiu de maneira muito mais rebuscada, e debaixo de um aparato "técnico-lógico", as disposições acima ao descrever a essência de sua "Teoria da Falibilidade" ou "Teoria da Falseabilidade".

"Tudo é falseável", diz sua "Teoria"

Não importa quantas evidências há, e, por quanto tempo; em algum momento, toda a teia de evidências "irá por terra"........

Assim, a Ciência torna-se inerentemente, intrinsicamente frágil.

Mais uma vez.......quando você lê Filosofia da Ciência por muito tempo, você fica "vacinado" com certas "Realidades", "Verdades" colocadas e impostas.

A "bola da vez" ou a "verdade da vez" é a Teoria que o jornalismo financeiro criou de que os mercados brasileiros, Bovespa especificamente, subiram por conta do Impeachment da Presidente atual, Dilma Rousseff.

Com a expectativa do Impeachment ser aceito pelo Congresso Brasileiro, aí inclusos, Câmara e Senado, o Bovespa subiu forte nos últimos 3-4 meses. Essa é a "justificativa"

Errado......amplamente errado com um pouco de análise mais rigorosa.....

Nesse momento, entramos num estágio delicado do artigo.......

É preciso muita atenção nas palavras e afirmações colocadas aqui pra diferenciarmos certas questões.

O movimento de alta do Bovespa não pode ser atribuído ao Impeachment

O que pode ser atribuído ao Impeachment, no máximo, num profundo estudo caso a caso, é o tamanho da alta de papéis isolados. Eu disse, no tamanho da alta de papéis isolados, e não no movimento em si

Volto a dizer....

O movimento de alta é apenas "movimento"..........."tamanho desse movimento", principalmente quando falamos de papéis olhados individualmente, é "tamanho" ou "grau de alta"

Vamos aos fatos, as imagens e a "prática" do argumento

Vejam abaixo 3 movimentos do Bovespa e, num primeiro momento, a comparação com o índice Dow Jones.....3 movimentos....A, B e C



Bovespa, Semanal, escala logarítmica, período 6 anos



Dow Jones, Semanal, escala logarítmica, período 6 anos




Os 3 rallys destacados, A, B e C, estão claramente associados aos rallys iniciados também pelo Dow Jones em momentos "pós-correção".

Obviamente, olhando para o último momento C, foco de nossa discussão, houve um rally, tanto do Bovespa, como do Dow Jones.

Faz sentido defender que o rally do Bovespa foi provocado pela expectativa do Impeachment da Presidente Dilma Rousseff ?

Podemos encaixar esse tipo de precipitação, ou seja, uma simples e supostamente óbvia razão a alta-rally do Bovespa dos últimos meses ao que o psícólogo e ganhador do Prêmio Nobel, Daniel Kahneman, chama em seu último livro de  "forma de pensar rápida, intuitiva e emocional"....

No livro, Kahneman separa o nosso cérebro em 2 Sistemas; o Sistema 1, esse do qual falei, e o Sistema 2,  "uma forma de pensar mais lenta, tomada mais pela reflexão e racionalização de problemas complexos"

"Ahhh Márcio.....mas você explicitou apenas 1 exemplo"......

Ok.....

Então vamos usar o Sistema 2, Segundo Kahneman ? Vamos adiante....pesquisar....

Ou segundo o Filósofo Popper.....vamos "Falsear" "mais" a Teoria de que o rally do Bovespa foi provocado pela expectativa do Impeachment da Presidente Dilma Rousseff.....

Reparem que, ao ir adiante, estamos "falseando"......"falseando"......"falseando" mais e mais.....

Peguemos os movimentos de alguns índices mundiais associados às commodities, sejam elas de energia ou materiais-metais básicos. Também isolamos os mesmos períodos do Bovespa e Dow Jones e os marcamos por A, B e C

O primeiro gráfico, associado a metais e materiais básicos, apresenta uma incrível semelhança com o Bovespa......topos e fundos claramente descendentes no longo prazo.....rallys de alta nos intervalos A, B e C

Quando pegamos o índice mundial associado a "Óleo e Gás" e fazemos o mesmo procedimento e marcações, a tendência difere um pouco; porém, os rallys nos pontos A, B e C acontecem na mesma sintonia do Bovespa

Veja que, em nenhum momento falo de "tamanho".....falo de rallys e/ou movimentos....


Dow Jones World Basic Materials Index, Semanal, escala logarítmica


Dow Jones World Oil and Gas Index, Semanal, escala logarítmica



Vamos a mais pesquisa ? Mais evidências ?

Se todo o rally recente do Bovespa fosse atribuído ao "Impeachment", teríamos o Banco do Brasil numa alta superior a papéis como "VALE", correto ?

Afinal, VALE é uma mineradora inserida num contexto mundial de forte desaceleração econômica e "estouro da Bolha de Commodities; no âmbito interno, pressionada pelo "desastre do estouro da barragem de Mariana".

BBAS3, "papel ON" do Banco do Brasil subiu mais do que VALE5 ? Não........"BBAS3" subiu cerca de 90% no rally de janeiro pra cá...

VALE5,  "papel PN" da VALE, subiu cerca de 150% no rally de janeiro pra cá...


BBAS3, diário, escala logarítmica



VALE5, diário, escala logarítmica






Vamos a mais pesquisas ? Cruzar dados ? Mergulharmos nos dados ?

Petrobrás é uma estatal, correto ?

E quanto subiram os papéis PN da Petrobrás nesse rally último ? Cerca de 150%...... os mesmos 150% da VALE5.....

Ora........

Por que PETR4, associada a uma estatal, subiu cerca de 150%, e BBAS3, também associada a uma estatal, subiu "apenas" 90% ?

Novamente, resgatemos o índice "Dow Jones World Oil & Gas".....ou "direto" o gráfico do "Barril de Petróleo"

PETR4, Diário, escala logarítmica





Dow Jones World Oil and Gas Index, Semanal, escala logarítmica



Light Crude Oil, diário escala logarítmica


O que cada vez fica mais claro e evidente é que VALE5 e PETR4 subiram "bem mais" do que BBAS3 por estarem inseridas em segmentos cuja volatilidade tem se mantido muito alta nos últimos meses, diferente do segmento bancário. Volatilidades essas que empurraram os retornos  para níveis muito "acima da média" em várias classes de commodities, óleo e metais básicos inclusos.

Tal quadro não tem nenhuma relação, absolutamente nenhuma relação com o Impeachment em curso no Brasil.

É óbvio que um outro caso pode resistir aos argumentos aqui expostos.....

Façamos pesquisas....cruzemos dados....

Por outro lado, se aprofundarmos e colhermos mais e mais dados, a "Teoria do Impeachment" é fortemente questionável.

Não estou dizendo que os preços atuais dos inúmeros papéis brasileiros não reflitam o atual quadro desolador da economia Brasileira.....

Estou, novamente falando, quase que gritando, que os dados mostram que  o último rally de alta não foi provocado pela expectativa de "Impeachment"...

Olhado pelos rallys acima, A, B e C, o Bovespa apenas corrige algum exagero extremo com rallys associados a movimentos mundiais, algoritmos que se "espalham" pelo mundo inteiro pra executar os mesmos movimentos.......mas, em sua maioria, as volatilidades intrínsecas dos respectivos mercados são guardadas, assim como as particularidades de cada país, deixando a porta aberta para uma ou outra exceção.

Até mesmo quedas, numa análise mais apurada, estão muitas vezes sincronizadas......mas, obviamente, no quadro brasileiro, as quedas e, principalmente os tamanhos delas, têm dimensões maiores, por se tratar de um mercado inserido num quadro econômico bem mais delicado do que outros.

Reparem......"tamanhos" são diferentes de "movimentos"

"Movimentos" podem ser sincronizados....."tamanhos", não

Ok, ......e, agora ?

Agora ?

Num primeiro momento, é possível dizer que os mercados e algoritmos mundiais continuarão a guiar certos segmentos do mercado brasileiro; o mais gritante o da mineradora VALE.

Num segundo momento, e envolvido numa extrema polêmica e complexidade de argumentos e raciocínios, poderíamos resgatar a "hipótese dos mercados eficientes", do economista ganhador do Prêmio Nobel de Economia, Eugene Fama,

Fama expôs tal "hipótese" em 1970, já formatada com o "corpo final"; em "mercados eficientes", em essência, os preços dos ativos refletem todas as informações públicas disponíveis. Assim, não é possível ter ganhos excepcionais ou distribuições "anormais", isto é, "fora da média", já que todos têm, em tese, acesso às "mesmas informações".

A jornalista Miriam Leitão escreveu em artigo publicado hoje no Jornal "O Globo" onde diz:

"O Brasil vive uma situação completamente surreal. É um país desgovernado tendo dois governos"

Pois é.....

É nesse contexto que os bancos brasileiros terão um enorme desafio pela frente ao se depararem com uma já forte inadimplência e, ainda dífícil de ser estopada.

Pior, terão um enorme desafio pela frente em contabilizá-las. O último Balanço do Banco Bradesco, publicado ao longo da semana, já mostra isso com queda no lucro.

Ora....

Se os preços dos ativos, segundo a "hipótese dos mercados eficientes", reflete todas a informações disponíveis, os papéis dos bancos brasileiros, com forte peso no Bovespa, não refletirão "Impeachment" algum....

Os papéis dos bancos brasileiros refletirão quedas nos seus lucros, impactados, , entre outras pressões, e numa direção, por uma dinâmica de forte inadimplência, a ser contabilizada "mais cedo ou mais tarde"

Numa outra direção, impactados por um quadro de crédito, interno e externo, igualmente desafiador.

Vejam o gráfico do "TED", "Spread entre a Taxa de juros Libor de 3 meses Londrina e os títulos do Tesouro Americano de 3 meses" 


TED, Semanal, período 8 anos





Por ora, os algoritmos estão no comando, e a ineficiência dos mercados está espalhada por todos os lados, na volatilidade,  no descolamento das médias históricas e, no caso específico brasileiro, nas informações amplamente disponíveis e apresentadas, sobretudo no segmento bancário.

Nesse contexto, as primeiras impressões podem parecer verdadeiras.....

Basta alguns cruzamentos de dados para falseá-las.