domingo, 8 de maio de 2016

À procura de um Fernando Henrique Cardoso

O jogo caminha para os 20 minutos do segundo tempo.

A equipe, frágil em vários setores e desorganizada, por uma sucessão de infortúnios, coincidências e um pouco de sorte, chegou ao empate. Com isso, é possível ainda sonhar com o título.

O técnico olha para o banco de reservas e procura "o jogador"; sim...um "camisa 10" que possa desequilibrar e levar o time à virada que, num primeiro momento, parecia algo inatingível.

Zico, Falcão, Sócrates, Rai, Rivaldo, Djalminha, Alex, Petkovic ? Nada disso; não há nenhum desses no banco.

Assim é o Governo Temer; Assim, era o Governo Itamar Franco "pós-Impeachment" no final de 1992.

Mas no longínquo ano de 1992, o Ex-Presidente Itamar Franco foi feliz. Foi buscar em São Paulo um dos políticos e intelectuais mais respeitados do Brasil e do mundo, o então Senador e sociólogo Fernando Henrique Cardoso, para assumir o Ministério da Fazenda por pouco mais de 1 ano; justamente a área mais problemática da República, palco de sucessivos fracassos na condução da política econômica e, principalmente, no gerenciamento da inflação.

Fernando Henrique Cardoso tinha os últimos 25 minutos do segundo tempo para "virar a partida".

"Pegou a bola pra si", fez tudo às claras, nada na surdina da madrugada, congelamentos e tantas outras iniciativas heterodoxas e bizarras, juntou o que tinha de melhor dentro do seu partido, aqueles que falavam a sua língua, assumiu a responsabilidade, liderou.

É preciso muito mais do que poucos parágrafos para ir a fundo e entender a essência que permitiu a elaboração do Plano Real, aquele que seria responsável por delimitar o Brasil do "país antes e depois", mas Fernando Henrique Cardoso era "o camisa 10"

Os inimigos da época ?

Inflação....inflação...inflação...hiperinflação....hiperinflação......

Ah.....tinham os "militares".....ahhhh.....os "militares".....inimigos  ?....sei lá.......pelo menos nos bares, nas Universidades, tudo de mal que acontecia ao país, depois da hiperinflação, é claro, era culpa dos militares....

Ahh !.....me esqueci, tinham as "perdas internacionais" de Leonel Brizola.......ninguém nunca soube explicar o que significavam as "perdas internacionais" de Leonel Brizola.

Porém, em qualquer canto, entrevista ou discurso, Brizola atribuía os problemas do Brasil às tais "perdas internacionais"

Os inimigos de hoje são outros.....

Muitos outros........nem imaginem quantos......

Temos uma inflação resistentemente alta por 3-4-5 anos, e que já ultrapassa os 10% anual; sem gatilhos , sem nada que possa repor o poder aquisitivo da sociedade

Temos forte intervenção na economia; um Estado muito mais inchado e "salvador da Pátria";

Temos muito mais funcionários públicos, muito mais concursos públicos, todos à procura da "pedra filosofal" do emprego eterno, estável e de altos salários......

Opss......"eu também quero" !!!

Temos um país dividido.....uma nação dividida.....

Temos o pobre e o rico; Dilma "é do pobre", Aécio "é do rico".......será ?
Temos o negro e o branco de olhos azuis......
Temos a "esquerda caviar" e o "coxinha"

Temer olha para o banco de reserva......

À procura de um Fernando Henrique Cardoso.....