segunda-feira, 21 de março de 2016

'Trocar de governo daria a chance de estancar sangria', diz Armínio Fraga

Entrevista publicada hoje no Jornal "Folha de São Paulo"

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/03/1752130-trocar-de-governo-daria-a-chance-de-estancar-sangria-diz-arminio-fraga.shtml

'Trocar de governo daria a chance de estancar sangria', diz Armínio Fraga


O ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga acredita que está mais do que claro que a gestão da presidente Dilma Rousseff "quebrou e pilhou o país".

Para ele, se não houver uma mudança tanto do governo quanto na forma de conduzir a economia, o Brasil terá um cenário de "perda de emprego e renda como nunca se viu".

"A maior vítima é o povo, que acreditou que esse modelo daria certo, se endividou e agora, como sempre, paga o preço", diz o economista, um dos formuladores do programa do candidato tucano Aécio Neves em 2014.

Fraga não acredita que a presença do ex-presidente Lula no governo mudaria o quadro de desconfiança de empresários e consumidores na economia. E ressalta que é preciso agir logo para "estancar a sangria".

"Mantenho alguma esperança, mas o tempo que nos resta é curto", afirma o economista, que é sócio da Gávea Investimentos.

Fraga diz que mantém contato com pessoas do PSDB e de outros partidos. Ele acredita que a perda de credibilidade da classe política como um todo com a Operação Lava Jato pode atrapalhar a adoção de um programa para recuperar a economia, mas defende as investigações:

"A Lava Jato precisa ir até o fim, não se pode abrir mão disso", afirma.

Questionado sobre a possibilidade de integrar um eventual governo de transição, responde que não.

Leia a seguir a entrevista que concedeu à Folha por e-mail na semana passada.

*

Folha - A turbulência política atual pode piorar a recessão?

Armínio Fraga - O estrago é geral. Desde 2014 a responsabilidade fiscal foi abandonada. O crescimento da dívida pública é galopante e põe em risco o trabalho de décadas.

Como se isso não bastasse, o modelo de gestão da economia opaco, populista e dirigista garante que não se pode contar com avanços na produtividade.

A deterioração já se faz sentir em toda parte e tende a piorar. Falo de perda de emprego e renda real como nunca se viu. A maior vítima é o povo, que acreditou que esse modelo daria certo, se endividou e agora, como sempre, paga o preço.

Qual é a principal lição que essa crise deixará?

Que não há atalhos. O desenvolvimento de uma nação requer um Estado decente e competente e uma visão de longo prazo, focada em aumentar a poupança e o investimento e melhorar continuamente a educação e a produtividade. O populismo de hoje é a antítese disso, um desastre.

Que medidas emergenciais precisariam ser tomadas para reverter o quadro atual? O sr. vê condições de isso ser feito pelo governo Dilma?

O desafio fiscal é enorme e urgente, e a máquina do crescimento está totalmente quebrada. O quadro requer, portanto, uma resposta ampla e convincente, que incluiria um Orçamento base zero, desvinculado e desindexado -no qual se criaria espaço de manobra e gestão, base para uma reforma do Estado-, além de reformas tributária, trabalhista e previdenciária, choque de gestão, foco no investimento em infraestrutura.

Enfim, um novo rumo para o país. O governo e seu principal partido não dão nenhum sinal de que proporão um caminho minimamente razoável. Seu histórico não ajuda, e hoje seguem com propostas malucas. Não vejo como avançar assim.

A confiança no futuro é considerada fundamental para o desempenho econômico. O ex-presidente Lula conseguiria recuperar essa confiança caso permanecesse no governo?

Infelizmente não creio nisso. A guinada na direção errada começou no segundo mandato do ex-presidente e foi mantida e turbinada até hoje pela atual, que segue lá insistindo, falando em responsabilidade fiscal e crescimento e fazendo o oposto.

Como o sr. avalia a ideia de usar as reservas internacionais para pagamento da dívida pública?

Acho uma ideia equivocada. Daria algum espaço para ela fazer mais do mesmo, que está provado que não funciona, e algum dinheiro para gastar sabe-se lá como. E fragilizaria uma situação já bem precária.

Reformas que são citadas como necessárias para que o Brasil retome o crescimento envolvem retirar benefícios de alguns grupos da sociedade. O sr. acredita que existe consenso para fazer essas mudanças?

Do jeito que vai a coisa, os benefícios serão retirados da pior maneira, via recessão e, eventualmente, inflação. Seria muito melhor fazer as correções de rumo de forma a trazer de volta a confiança e o crescimento.

No momento não há consenso, mas com uma eventual troca de governo teríamos uma chance de pelo menos estancar a sangria, enquanto se aguardam eleições e uma liderança com mandato para ir mais fundo nas mudanças. O debate é complicado, mas já está mais do que claro quem foi que quebrou e pilhou o país. Mantenho alguma esperança, mas o tempo que nos resta é curto.

A Lava Jato tem levado a um descrédito grande da classe política. Mesmo que haja uma transição de governo, isso não pode dificultar a adoção de medidas para recuperar a economia?

Pode sim. Mas a Lava Jato ao final vai ter feito uma boa triagem, criando condições para uma guinada cultural e uma reforma política que, com o tempo, ajudariam a recuperar a governabilidade e alguma confiança da sociedade brasileira na política. Vai levar tempo, mas não há alternativa.

A Lava Jato teria o mesmo apelo caso a economia não estivesse em crise profunda? A conhecida frase "é a economia, estúpido" se encaixaria no nosso contexto atual?

A doença que se manifesta na crise é em parte a mesma que a Lava Jato procura curar, não dá para separar uma da outra. Tem a ver com um desenho de Estado e economia cheio de incentivos perversos, com uma cultura complicada. A Lava Jato precisa ir até o fim, não se pode abrir mão disso. Todo cuidado é pouco aqui.

O senhor se afastou da política depois de 2014 ou continua colaborando com o PSDB?

Mantenho contato com pessoas do PSDB e de outros partidos também.

O sr. aceitaria um convite para participar de um governo de transição?

Não.

A situação da economia global dificultaria tentativas de reanimar a economia brasileira?

Sempre afeta. Hoje o dinheiro no mundo está barato, o que sempre empurra algum para cá. Isso pode em algum momento se reverter, especialmente nos Estados Unidos. E tem também o preço das commodities, que andou caindo muito. Mas o que importa mesmo é o que vai acontecer aqui dentro.

Acabou a era de expansão dos países emergentes?

Os emergentes vivem um momento difícil. Mas, repi-
to, que nada se aproxima em importância das respos-
tas que serão ou não dadas à crise atual.

A produtividade da economia brasileira estancou. Isso tem nos deixado para trás em um mundo de rápidas transformações tecnológicas. Dá para recuperar o tempo perdido?

Sim. Depende de muita coisa, especialmente de uma educação melhor, de uma agenda de reformas e de uma integração com o mundo. Uma "vantagem" de nos encontrarmos na lastimável posição atual é que há muito o que melhorar.

RAIO-X
Armínio Fraga

Formação
Economia pela PUC-Rio, doutor pela Universidade
de Princeton, nos EUA

Carreira
> Diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central entre 1991 e 1992
> Trabalhou com George Soros entre 1993 e 1999
> Presidente do Banco Central entre 1999 e 2002
> Em 2003, fundou a gestora de recursos Gávea Investimentos, que recomprou do JPMorgan no fim de 2015