quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Da série:.....Vivendo em outro mundo......."Dilma fala em crescer mais com mercado interno robusto", por Jornal Valor

Alguém quer ler ficção científica ?

Então, vai lá......

Matéria Jornal "Valor Econômico", de ontem, dia 28-10-2014:

http://www.valor.com.br/eleicoes2014/3754504/dilma-fala-em-crescer-mais-com-mercado-interno-robusto

28/10/2014 às 20h33
Dilma fala em crescer mais com mercado interno robusto
Por Fernando Taquari | Valor

SÃO PAULO  -  A presidente Dilma Rousseff (PT), reeleita no último domingo, prometeu esforço nesta terça-feira para restabelecer a confiança no empresariado, abalada nos últimos meses de seu governo. A petista disse que tomará iniciativas neste sentido até o fim do seu primeiro mandato. No entanto, não especificou o que pretende fazer. Apenas disse que fará uma consulta com os diversos setores da economia. A expectativa é que promova mudanças nos ministérios, sobretudo na Fazenda, como defende o mercado financeiro.

“A confiança é o que está na pauta”, disse Dilma em entrevista ao “Jornal da Band” ao ressaltar a importância de conversar com os setores da economia para garantir os passos necessários para o crescimento. A petista disse que é preciso avaliar os efeitos e a dimensão da crise internacional para tomar as medidas mais adequadas. “É importante se unir e perceber que o Brasil tem fundamentos fortes”, disse a presidente, acrescentando que o país continua a receber um volume expressivo de investimento externo e interno.

Além disso, declarou que as reservas internacionais ajudam a proteger o Brasil da instabilidade nos mercados internacionais. Lembrou ainda que outros países também passam por dificuldades devido as turbulências nos mercados. “Acredito que o Brasil tem um setor financeiro sólido. Na Europa há uma desconfiança a respeito da robustez do bancos. A Alemanha reduziu em 4% a taxa de crescimento da indústria”, disse.

“O Brasil está passando por uma situação difícil, mas temos todas as condições para sair dessa situação se nos dermos as mãos pela retomada do crescimento”, complementou ao citar o mercado interno robusto. Em seguida, defendeu a política econômica do governo ao afirmar que o país tem uma das menores taxas de desemprego. “Nesta crise, não atribuímos a conta para o povo, temos a menor taxa de desemprego”.